Maria Rita e Quarteto Jobim reeditam no palco o disco ‘Elis & Tom’

x82920538_RS-Rio-de-Janeiro-RJ-29-05-2019-Rio-Montreux-Jazz-FestivalPier-Maua.-Na-foto-Maria-Rita.jpg.pagespeed.ic.ISRA9yr3ly

RIO – “O Mazzola é maluco.” Foi assim que Maria Rita reagiu ao ouvir a proposta do produtor Marco Mazzola, curador do Rio Montreux Jazz Festival, para reeditar nesta quinta, às 19h30m, ao lado do Quarteto Jobim , o encontro de sua mãe, Elis Regina, com Tom Jobim no clássico LP “Elis & Tom” (1974).

— É um dos maiores álbuns da história da música mundial — resume Maria Rita, que sabe o vespeiro que é cantar um repertório que foi defendido por sua mãe. — Tem um peso da responsabilidade da história e da música, sim.

Paulo (violão) e Daniel Jobim (piano), filho e neto de Tom, formam o Quarteto Jobim com Jaques Morelenbaum (violoncelo) e Paulo Braga (bateria), que tocaram durante anos com o maestro. Essa é a banda que acompanha Maria em “Chega de saudade: 25 anos sem Tom Jobim”.

— Lembro de um show que eles (Elis e Tom) fizeram no Hotel Nacional. Foi emocionante. Depois que meu pai morreu, eu começava a tocar uma música dele e chorava. Mas tem um lado bom de cantar essas lembranças — admite Paulo.

Das 14 canções do seminal disco dos pais de Maria e Paulo, só uma está garantida no roteiro, que será fechado apenas na véspera do show.

— Quando fui fazer a pesquisa de repertório para o “Redescobrir” (2012), eu falei que “Águas de março” era uma das que eu tinha que cantar. E não pode mexer em nenhuma nota do arranjo. Você dá só o acorde inicial e todo mundo entra junto — afirma Maria.

O festival também tem outra ligação forte com Elis, que fez uma apresentação memorável em 1979, marcada por um tenso dueto com Hermeto Pascoal, que toca sábado no evento.

— Essa lenda é sensacional. O que eu ouvi é que ela estava exausta, pois vinha de uma bateria de shows, e ele deu umas sacaneadas (em “Garota de Ipanema”). Quando ela sacou que era um duelo, foi em frente. Minha mãe amava um desafio.

Sobre a possibilidade de repetir no Palco Tom Jobim, no Píer Mauá, o duelo de Elis com Hermeto, Maria é taxativa:

— Na na ni na não. Eu estou bem assim — gargalha.

Maria Rita e Quarteto Jobim

Onde: Palco Tom Jobim, no Armazém 2 do Pier Mauá (https://riomontreuxjazzfestival.uhuu.com/ ).

Quando: Quinta-feira (6), às 19h30min

Quanto: De R$ 25 a R$ 187.

Classificação: 16 anos.

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Histats.com © 2005-2018 - GDPR: tracker policy -Integrate your policy - this website policy - Check/do opt-out